André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

A cara de Brasília

A foto foi feita em frente à sede do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. Talvez nem seja um caso de individualismo automotivo, aqueles em que o sujeito pensa primeiro em seu carro, e depois no semelhante que, a pé, precisa usar a calçada. Talvez, distraído, ele nem tenha se dado conta do que fez. [...]

DSC_0720

A foto foi feita em frente à sede do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília.

Talvez nem seja um caso de individualismo automotivo, aqueles em que o sujeito pensa primeiro em seu carro, e depois no semelhante que, a pé, precisa usar a calçada. Talvez, distraído, ele nem tenha se dado conta do que fez.

Mas isso só aconteceu – e não é apenas a cara de Brasília, mas do país da qual ela é a capital – porque o Brasil é cada vez mais escravo do automóvel.

Como súdito da indústria automobilística, cede aos encantos das linhas de montagem, que nos últimos anos acharam por bem investir e entupir as ruas com essas monstruosas caminhonetes, cuja vocação é para andar no campo, e não atulhar ainda mais o espaço exíguo das grandes cidades.

Cada vez mais raras, as vagas de estacionamento parecem ainda menores nos últimos anos com a ascensão de tudo quanto é tipo de Hilux, quem sabe o mais banal demonstrativo de status de nossa pobre classe média endividada.

Se os governos, ao longo dos últimos 60 anos, optaram pelo desleixo com o transporte coletivo e nos obrigaram a trocar os pés pelas rodas, que nós, ao menos, procuremos, quando formos comprar um automóvel, fazer escolhas mais sensatas dentro da opção errada que nos foi imposta.

PS: Por falar em classe média, ela reclama tanto só de imaginar em voltar a pagar a CPMF, mas paga feliz R 20 por um suco de laranja em Brasília só porque o restaurante é da moda.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentário (1)

  1. Sergio -

    Um “attack” ao pedestre e as leis de trânsito.

Deixe o seu comentário!