André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

A tecnologia dos ipês de Brasília

A seca em Brasília é bela, tão bela quanto cruel para com os sistemas respiratórios mais sensíveis. O estio na capital do país é paleta de cores a ser descoberta pelos olhos mais atentos e menos apressados, aqueles que se ocupam com a vida que de fato existe, aquela que corre do lado de fora [...]

A seca em Brasília é bela, tão bela quanto cruel para com os sistemas respiratórios mais sensíveis.

O estio na capital do país é paleta de cores a ser descoberta pelos olhos mais atentos e menos apressados, aqueles que se ocupam com a vida que de fato existe, aquela que corre do lado de fora das alienantes (e imbecilizantes) telas de smartphones.

Raquel Madeira - Asa Norte - Brasília, DF

Raquel Madeira – Asa Norte – Brasília, DF

Nos últimos dias, Brasília está lilás.

É a primeira leva de ipês que se derrama pelos eixos e quadras, anunciando, justamente, a abertura oficial da estiagem.

Lá pela metade de agosto, será a vez dos ipês amarelos.

Eles são o 2º aviso da criação, a de que a seca está no auge e que você não deve se aventurar a pé por aí, debaixo do sol das 2 da tarde, pois há o risco de se tornar um graveto estorricado antes de chegar a seu destino.

Os ipês amarelos são uma forma deslumbrante de bela de te preparar para a crueldade desses dias em que se você passar com mais força a sola do sapato na grama, periga provocar uma queimada.

A 3ª e última leva de ipês, a dos brancos, aflora lá pela virada de setembro para outubro, e além de beleza ela traz o aviso mais esperado do ano por quem mora em Brasília: a de que a chuva está próxima.

Dito e feito: entre 10 e 15 dias a água desce, ressuscita a grama e a nossa esperança de que a vida vale mesmo muito a pena, embora com um ou outro desgosto aqui e ali.

Raquel Madeira - Asa Norte - Brasília, DF

Raquel Madeira – Asa Norte – Brasília, DF

Portanto, decore: lilás, amarelo e branco – começo, meio e fim – ascensão, apogeu e declínio da seca.

É a tecnologia da mãe natureza, muito mais bela e perfeita do que qualquer Apple ou Samsumg.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentário (1)

  1. Nilva Trindade Batista Silva -

    Parabéns pelo belo texto, e pela forma tão poética que você descreveu essas belas árvores!
    Amo os Ipês! Lendo seu texto aprendi muito mais sobre eles .

Deixe o seu comentário!