André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

ronaldonezo.com

ronaldonezo.com

A semana com este feriado no meio me faz novamente pensar que temos trabalhado demais, e cada vez mais com menos necessidade.

Li na rede social dias atrás que um estudo sei lá onde propõe que o fim de semana tenha três dias.

Acho que três dias seguidos enferrujariam a pessoa, e o tranco da volta ao batente seria pior do que é hoje, ou seja, a terça feira seria pior do que é a segunda.

Então, flanar sábado e domingo, encarar o trampo segunda e terça e dar outra pausa, menor, na quarta talvez fosse ótima saída para a produtividade e pra nossa saúde física e mental.

Descansados, produzimos mais, ficamos menos doentes, faltamos menos ao serviço, paramos menos dias para nos tratar. Acho que entra até alguma coisa de lógica econômica nessa história, com o patrão ganhando mais, proporcionalmente. Sei lá.

Só sei que nosso tempo no ambiente de trabalho é excessivo, querem de nós não apenas o que não podemos dar, mas também o que não é necessário.

O que é feito em dez, doze horas de trabalho que não pode ser feito em dois turnos de seis horas, com duas equipes, uma da metade da manhã à metade da tarde, e a outra a partir daí e até a metade da noite?

Penso que mais da metade das reuniões inúteis a que comparecemos deixaria de existir, e os projetos, que muitas vezes ficam parados porque um de nós, exaurido, foi parar no estaleiro e está a base de antidepressivo, ganhariam objetividade na aplicação e rapidez na execução, além de doses maiores de criatividade, por causa das mentes repousadas.

A sociedade de consumo, por meio da mídia, seu braço de propaganda, vende a ideia de que o mundo bom é o que produz bens de consumo. Um país em crise precisa, segundo especialistas, aumentar a produção e as vendas. E aí somos pessoas vazias, infelizes, de carro zero e celular último modelo.

O que precisamos é que nossas relações pessoais ocupem mais tempo em nossas vidas do que nossa network. Além do convívio com os nossos – sejam quais forem esses nossos –, em algum momento precisaremos também ficar com nós mesmos, naquela solidão sem compromisso com horários, irmã da paz de espírito.

Por isso, menos horas de trabalho durante o dia. Menos dias de trabalho durante a semana.

Poderá não ser tão bom para o PIB, que na verdade desde sempre só alimenta quem mais tem, sempre teve e quer mais.

Mas será ótimo para a nossa saúde mental, familiar e social.

Comentários (0)

virgula.uol.com.br

virgula.uol.com.br

Olha, sei lá, mas famoso e famosa quando anunciam que estão se separando (ou casando), me cheira a estratégia de marketing e promoção, viu?

Comentários (0)

Getúlio

Jânio

JK

Jango

Dilma-Rousseff

Comentários (0)

Portas, janelas, becos, átrios, ruínas … A alma de homem moderno se refaz no antigo.

Pírenópolis, GO. Fotos Giusti Press e Ana Maria de Souza

Pírenópolis, GO.
Fotos Giusti Press e Ana Maria de Souza

PIRI 2

Piri 3

Piri 4

Piri 5

Piri 6

Piri 7

Piri 8

Piri 9

Piri 10

Piri 11

Piri 12

Piri 13

Comentários (0)

Tudo o que eu quero pra hoje é uma estrada em Goiás que me leve a um lugar aonde eu possa parar o tempo.

Fotos br.worldmapz.com

Fotos br.worldmapz.com

GO 338 3

GO 338 4

Comentários (0)

casa simples

Quando abriu a porta e acendeu a luz, o pequeno apartamento de apenas 30 metros quadrados lhe pareceu tão maior e vazio quanto uma mansão de 20 quartos sem móveis e moradores.

Naquela noite, foi dormir cedo, muito mais por solidão do que por cansaço.

Até hoje não sabe se sonhou ou se tudo não passou de sua imaginação, disfarçada de sonho naquele limiar do sono, quando já estamos quase dormindo, mas ainda restam algumas tomadas plugadas ao mundo concreto do dia que termina.

O que sabe é que se viu numa casa bem maior que seu apartamento, mas bem longe de ser mansão.

Era térrea, sem escadas, e chamava a atenção pela simplicidade, pelo acabamento desleixado.

O piso era de cimento queimado e lembra-se de que duas ou três paredes estavam ainda no reboco. Não sendo antiga, também não era recém-construída. Percebia-se que estar pronta sendo inacabada era traço permanente, incorporado com o tempo.

Outra marca era a claridade permeando a sala espaçosa, três grandes quartos e a cozinha, capaz de caber mesa pra seis.

Em seu dorme não dorme, sonha não sonha, não conseguia a certeza se a luz do dia era a da manhã ou a da tarde.

Era luz, e isso era o mais importante. Ali, pelo jeito, ele pensou quase dormindo (ou sonhando?)que o luar também deveria fazer visitas, e se hospedar feito primo que vem sempre.

O vento, este mais que se hospedava. O vento morava. Aproveitava as grandes janelas sempre abertas, sem grades e cortinas, e circulava pelo ambiente de poucos móveis e imensos clarões entre mesa e sofá, camas e guarda-roupas.

O vento entrava e saía, esperava alguns instantes, voltava. O vento parecia um cachorro de casa: do quintal pra dentro, de dentro pro quintal, até que alguém o notasse e fizesse festa pela sua presença.

Quando sua mente, naquele túnel irreal, ainda percorria os cômodos e vislumbrava do janelão da cozinha uma varanda imensa, coberta por telhas, sem laje, começou a ouvir vozes de meninas, meninas entre a infância e a pré-adolescência.

- Pai! ‘Cê tá em casa, pai? – era a voz da filha mais velha, entrando esbaforida, jogando a mochila no primeiro espaço vazio.

- Pai! Tirei nove em matemática! – avisou a do meio, entrando junto à primeira.

- Pai, cadê o Dique? – e logo surgiu a caçula, passando por ele e voltando segundos depois, seguida pelo cachorro labrador imenso e carinhoso. Ele sorriu no sonho, ou no que quer que fosse aquilo que embalava seu adormecer: havia também um cachorro, para também entrar e sair quando quisesse.

Eram suas filhas, e moravam com ele no sonho, no limiar do sono ou na imaginação meio acordada, outra metade adormecida. Não precisava pegá-las de quinze em quinze dias, pois era ele quem cuidava delas todos os dias, do que haveria para almoço e para a janta, era ele quem recolhia suas presilhas de cabelos, suas fitinhas e laços esquecidos pelos cômodos. Era ele quem as ouvia contar histórias do recreio na escola e entregarem, cada uma, segredos inocentes sobre namoradinhos.

E depois que almoçavam, nas tardes de sábado, iam para a varanda terminar de rir das tolas piadas que contaram à mesa. Lá pelo meio das três horas, esticado em uma encorpada cadeira de madeira rústica, ele perdia os olhos em um horizonte baixo que havia para ser medido do alto da colina onde ficava a casa. A paisagem sumia num cochilo bom e profundo, mas reaparecia quando ele acordava com o vento mais forte derrubando mangas no fundo do quintal e anunciando chuva grossa no fim da tarde.

Espreguiçava-se em paz, com a certeza do cheiro da terra e grama molhadas. Era a mesma certeza de que mais tarde, quando já fosse noite, as nuvens descarregadas do temporal dariam lugar no céu às estrelas, e que ainda mais tarde uma lua amarela, pela metade, subiria o muro do mesmo horizonte baixo.

Terminando de esticar os braços e os últimos bocejos, levantava-se e ia investigar os quartos, onde as encontrava enfiadas nos livros, nas mensagens dos celulares e quase sempre no apronto sem fim dos cabelos.

Do corredor, perguntava alto:

- Quem vai querer pizza de noite?

- Eu!

- Eu!

- Eu!

E a sequência irrompia pela casa, carregada pela expectativa do sabor.

Eram suas filhas, moravam com ele, e ele, quando chegava em casa, não encontrava solidão. Ouvia no sonho, ou no galope da imaginação, a chuva chegando, sentia o cheiro da terra molhada invadindo a casa. As janelas batendo com o vento e a copa da mangueira sacudida lá fora avisavam que ele era feliz e que aquela era uma casa simples e em paz.

Um dia, o curso normal da vida levaria as três, uma a uma, mas logo logo o recompensaria com netos e netas, e a casa, sempre inacabada, estaria cada vez mais firme em sua simplicidade e em sua paz.

As filhas moravam com ele.

E se realmente sonhara, fora o sonho mais lindo que tivera na vida.

Comentários (0)

confiramais.com.br

confiramais.com.br

É claro que foi emocionante ver a judoca brasileira com a medalha de ouro no peito, muito menos por patriotismo do que pelo histórico de luta e preconceitos que essa moça já sofreu.

Em que pese a ajuda do governo para que ela pudesse se recuperar do fracasso em Londres, em 2012, e faturar o ouro este ano, é triste constatar que o Brasil, como Estado, perdeu a oportunidade, ao sediar os jogos olímpicos, de finalmente criar uma cultura olímpica.

Quando o Rio foi anunciado cidade sede, imaginei todas as escolas com quadras, piscinas e pistas de atletismo, pequenos canteiros a germinar sementinhas de potência esportiva.

Bem, também imaginei a Baía de Guanabara despoluída, item que aparecia com destaque na lista do tal legado olímpico, peça publicitária para que a sociedade apoiasse a candidatura do Rio.

O que de concreto até agora me parece existir são obras faraônicas e super faturadas (este nosso legado rotineiro) e um total de medalhas para o Brasil que, acho, não será muito diferente das outras olimpíadas, quando o esforço pessoal de cada atleta pesou sempre mais do que qualquer política pública.

Aos que ainda se ufanam pela beleza da solenidade de abertura e chegam mesmo a achar que ela foi uma espécie de resgate do país perante o mundo, lembro que o Brasil sempre foi muito bom para fazer festa.

Eu disse festa.

Comentários (1)

celebridades.uol.com.br

celebridades.uol.com.br

Em minha nada importante opinião acerca do que não vai mudar sua vida, aquilo que considero explosão de mau gosto na música brasileira ( que é apenas uma vertente do mau gosto geral da vida nacional) foi detonado no verão de 1995, quando estourou nas rádios o primeiro sucesso do É o Tchan!

A pobreza harmônica e a imbecilidade das letras, que faziam sacudir as belíssimas bundas de Carla Perez e Sheila Carvalho, avisavam sobre o que a indústria cultural de massa plastificada nos impingiria nessas duas últimas décadas.

Pra minha sorte, há muitos anos não escutava É o Tchan! Mas no último domingo, a odiosa musiquinha me chegou aos ouvidos acidentalmente, como, aliás, em todas as vezes em que fui obrigado a ouvi-la.

E não poderia ser em outro lugar que não no Pontão do Lago Sul, aqui em Brasília, ponto turístico da capital, cuja qualidade musical é inversamente proporcional à beleza do lugar.

E aí, escutando aquela irritante melodia, conjugada com aquele ainda mais irritante bater de tambor e pandeiro, acabei pensando em tudo a que a podridão da indústria fonográfica – apoiada por Faustões & cia – nos subjugou em mais de vinte anos.

E cheguei à sombria conclusão que perto do que se fez depois, o É o Tchan! era até razoável.

Comentários (0)

Nos tantos anos em que atuei como repórter no jornalismo, fiz a cobertura de vários acidentes automobilísticos, muitos nas estradas, e foram incontáveis aqueles com mortos ou pessoas que ficaram para sempre sequeladas.

Nunca, mas nunca mesmo, ouvi de algum motorista envolvido nesses acidentes, e mesmo de qualquer policial responsável por registrar a ocorrência, que a tragédia aconteceu porque um dos carros trafegava, em plena luz do dia, de faróis apagados e não pode ser visto pelo outro, ou outros motoristas, envolvido na colisão.

Sem tanta vontade de escrever sobre o assunto, há dias remoo essa desculpa esfarrapada, debochada de um estado insaciavelmente arrecadador, que quanto mais leva de nós em imposto ou multa, menos nos entrega em serviços básicos e direitos.

Mas aí li nessa reportagem do Congresso em Foco (link no final) sobre as pontes na BR-080 – rodovia aberta na ditadura militar para ligar o Distrito Federal ao Amazonas – e resolvi escrever, já nem tanto sobre a obrigação dos faróis à luz do dia, mas sobre o fato de que neste país o estado mergulhou num mar tão fantástico de cinismo e hipocrisia, assemelhando-se àquele doente mental que, a cada dia mais débil, fica totalmente isolado em sua própria realidade doentia e desconectada.

http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/pontes-de-toras-de-arvore-na-floresta-amazonica/

Comentários (0)

produto.mercadolivre.com.br

produto.mercadolivre.com.br

Hoje pela manhã alguém postou na rede social a capa do segundo disco da Legião Urbana, lembrando que exatamente trinta anos atrás, num dia 20 de julho (ontem, portanto), ele estava sendo lançado.

A pessoa que postou lembra o abalo que esse disco provocou e do que ele representou para toda uma geração de jovens.

Eu, que o levei pra casa na semana do lançamento, lembro bem que o LP (era assim que se chamava o vinil) mostrava que a Legião, ao contrário do R.P.M e do Ultraje a Rigor, não seria uma banda de um disco só.

O disco foi marcante não apenas pela sua qualidade, mas também por ter saído no contexto de um país que se redescobria livre para dizer o que pensava, de uma geração que, massacrada na infância pelas aulas de Moral e Cívica, de uma hora pra outra ficou sabendo que podia ir pras ruas gritar palavras de ordem.

Tudo isso estava sendo vivido intensamente naquele tempo, ao som do Dois, da Legião. E tudo aquilo que vivíamos ficaria marcado para sempre, embora não nos déssemos conta disso.

É que certamente estávamos muito ocupados tentando decorar a letra de Eduardo e Mônica.

Comentários (0)