André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Otário

Comentários (0)

Bikes

Comentários (0)

Meu Beatle preferido sempre foi John Lennon.

Também pela música (o mais rockeiro dos quatro), mas muito mais pelo comportamento. John foi a personalidade da banda. Sem seu jeito debochado e sua atitude de enfrentamento, o pensamento do mundo talvez não tivesse evoluído tanto nos últimos anos.

Mas isso não significa não amar George e Ringo.

Isso não significa não amar Paul, que, reconheço, é o melhor compositor entre eles.

Quem foi ontem ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, viu um artista muito, mas muito longe mesmo de qualquer sinal de decadência. E isso após mais de meio século de carreira. E isso aos 72 anos de idade. Em alguns momentos, pensei que estava ouvindo a música diretamente de um dos CDs dos Beatles ou do Wings, tal a perfeição como ele canta, exatamente como há 40, 50 anos atrás.

Paul McCartney não tem apenas o domínio do palco e do público. Ele tem o domínio pleno sobre a música. Poucos músicos parecem ter tanta intimidade com ela – a música – como ele tem.

Ontem, John, saí do show pensando que, se por acaso havia na humanidade alguma dúvida, não há mais: você, em vida, teve, definitivamente, um parceiro a sua altura.

Lennon-and-McCartney-3

Comentários (0)

Subestação de luz Asa Norte - Brasília

Subestação de luz
Asa Norte – Brasília

 

 

 

Comentários (0)

c/ Sérgio Maciel

Meu amigo prepara a pequena câmera digital amadora e a pousa no tripé, que apesar da aparência frágil, tem boa sustentação, mesmo fincado na brita do estacionamento do Estádio Mané Garrincha.

Dos cultuados anos 80 à segunda década deste século de revolução tecnológica, são 31 anos de amizade. Muita gente, nesse país e mundo de tragédias e barbáries, não chega a soprar tantas velas no bolo.

Apesar desse tempo todo, é a primeira vez que vem a Brasília, e esta será nossa primeira foto na cidade.

Ele ajeita com preciosismo tanto a câmera quanto o tripé, e mesmo com o equipamento pronto para disparar, ainda checa um último detalhe.

- Vem logo, caralho, senão tu não sai na foto! – digo alto, ao que ele responde com uma corridinha em minha direção, ainda ágil feito um garoto, apesar dos 47 anos.

Abrimos os sorrisos e assim ficamos por aqueles segundos que parecem eternos, antes que a foto seja batida. Ouvido o clique da máquina, nos desfazemos da pose, dizendo as mesmas barbaridades que dizíamos um ao outro quando tínhamos 15 anos.

Ele pega a câmera e faz ar de surpresa.

- Ih, cacete! Sei lá o quê eu fiz que ela bateu uma porrada de foto da gente andando…- e ele me mostra a sequência de nós dois lado a lado, dando passos à frente, braços jogados, sorrisos naturais, jeito espontâneo. O que não foi programado é muito melhor do que a foto em que cruzamos os braços e prendemos a respiração.

- Parece foto de capa de disco…- ele diz me mostrando uma em especial, em que nossos sorrisos parecem mais sinceros, levando a crer que a vida não precisa mesmo de muita coisa para valer a pena.

Talvez precise, basicamente, ser verdadeira e autêntica, sem fingimento ou poses forçadas, feito alguém que aparece bem numa foto sem saber que foi fotografado.

Eu e sérgio efeito

Comentários (0)

Um dia,

prometo,

eu ponho a cabeça no lugar

e conto pro mundo inteiro

os benefícios físicos e mentais

de surtar de vez em quando.

SURTANDO

Comentários (0)

Domingo, 16/11

Nuvens 1

Nuvens 2

Nuvens 3

Comentários (1)

Meu 6º livro já entrou na gráfica. Chama-se AS ESTRANHAS RÉGUAS DO TEMPO.

O lançamento está previsto para dezembro, pela editora Multifoco, do Rio.

Ele reúne pequenas crônicas sobre comportamento que escrevi aqui para o blog no período 2009 – 2014.

No gênero crônica, é meu livro de estreia.

Por enquanto, curtam a capa.

Mas já já vem o resto, ok?

Capa As Estranhas Réguas do Tempo foto

Comentários (0)

só vale a pena

Comentários (0)

Suco

A julgar pelas informações do rótulo dessa garrafa de suco de laranja, a indústria brasileira é fantástica, quiçá uma das melhores do mundo.

Embora não leve conservantes, a bebida tem validade até fevereiro do ano que vem, uma capacidade de conservação que, ao que me parece, nem a natureza, inventora da fruta, possui, já que uma laranja apodrece em uma semana se a deixarmos esquecida na cozinha.

Mas como sei que em sua quase totalidade o empresariado brasileiro é honrado, prima pela conduta ética, pela informação verdadeira e pelo respeito ao consumidor, abro a embalagem e bebo seguro de que estou engolindo suco puro, sem química.

E quando penso que o Estado brasileiro fiscaliza a indústria sempre com retidão, integridade, acuidade, eficiência e eficácia, e com firmeza totalmente incorruptível, aí que saboreio mesmo, com gosto, e vou dormir tranquilo feito um bebê inocente do mundo.

Comentários (0)