André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Éramos tão jovens

Hoje pela manhã alguém postou na rede social a capa do segundo disco da Legião Urbana, lembrando que exatamente trinta anos atrás, num dia 20 de julho (ontem, portanto), ele estava sendo lançado. A pessoa que postou lembra o abalo que esse disco provocou e do que ele representou para toda uma geração de jovens. [...]

produto.mercadolivre.com.br

produto.mercadolivre.com.br

Hoje pela manhã alguém postou na rede social a capa do segundo disco da Legião Urbana, lembrando que exatamente trinta anos atrás, num dia 20 de julho (ontem, portanto), ele estava sendo lançado.

A pessoa que postou lembra o abalo que esse disco provocou e do que ele representou para toda uma geração de jovens.

Eu, que o levei pra casa na semana do lançamento, lembro bem que o LP (era assim que se chamava o vinil) mostrava que a Legião, ao contrário do R.P.M e do Ultraje a Rigor, não seria uma banda de um disco só.

O disco foi marcante não apenas pela sua qualidade, mas também por ter saído no contexto de um país que se redescobria livre para dizer o que pensava, de uma geração que, massacrada na infância pelas aulas de Moral e Cívica, de uma hora pra outra ficou sabendo que podia ir pras ruas gritar palavras de ordem.

Tudo isso estava sendo vivido intensamente naquele tempo, ao som do Dois, da Legião. E tudo aquilo que vivíamos ficaria marcado para sempre, embora não nos déssemos conta disso.

É que certamente estávamos muito ocupados tentando decorar a letra de Eduardo e Mônica.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (0)

Deixe o seu comentário!