André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Estatística contra o pré-julgamento

Trabalho no Setor Comercial Sul, em Brasília, área da capital do país onde se aglomeram centenas de usuários de crack. São chamados de cracudos por quem trabalha na região. A palavra carrega muitas vezes deboche, outras repugnância, mas na maioria dos casos é empregada automaticamente, por costume, não possui viés negativo. Muito menos positivo. Independentemente [...]

Trabalho no Setor Comercial Sul, em Brasília, área da capital do país onde se aglomeram centenas de usuários de crack.

São chamados de cracudos por quem trabalha na região. A palavra carrega muitas vezes deboche, outras repugnância, mas na maioria dos casos é empregada automaticamente, por costume, não possui viés negativo. Muito menos positivo.

Independentemente disso, designa pessoas que perderam, em boa parte, não apenas a noção do que é um lar, do que é família, escola, trabalho. Perderam a própria referência de quem são, quiçá nem lembrem mais o próprio nome.

É chegarem perto, e todos,  na ojeriza que cada um de nós nutre por quem a sociedade virou as costas, protegem carteiras, relógios e smartphones. É raro um olhar de misericórdia, sentimento cada dia mais escondido nas gavetas do individualismo.

O normal é o julgamento, sempre no mesmo padrão, desprovido de conhecimento do mundo particular de cada um desses miseráveis: tá nessa vida por que quer!

Pois bem.  Uma pesquisa da Defensoria pública do Rio revelou que somente 13% dos moradores de rua são analfabetos, 65% não bebem e 62% não usam drogas (veja detalhes na revista Pragmatismo Político http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/05/maioria-da-populacao-de-rua-nao-bebe-nem-se-droga-aponta-estudo.html ).

Os números servem não apenas para que o Estado, e aí não reúno só governos, mas médicos, sociólogos, etc, pare para pensar porque realmente essas pessoas preferem o desalento da rua do à segurança de um lar. Servem, num primeiro momento, para que nós abandonemos essa nossa insistência em pré-julgar tudo e todos que não estejam de acordo com o que entendemos por correto.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (0)

Deixe o seu comentário!