André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Falência múltipla – Ainda Ernesto Silva.

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, disse hoje que a denúncia de suborno, que pôs ainda mais pimenta no vatapá da bandalheira em Brasília, significa a falência múltipla das instituições, ou da moralidade, ou da dignidade da administração pública. Agora não vem à cabeça a frase com exatidão, mas o [...]

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, disse hoje que a denúncia de suborno, que pôs ainda mais pimenta no vatapá da bandalheira em Brasília, significa a falência múltipla das instituições, ou da moralidade, ou da dignidade da administração pública. Agora não vem à cabeça a frase com exatidão, mas o sentido era esse, carregado de uma contundência que, aliás, está faltando às autoridades que podem tirar do poder a quadrilha que envergonha o morador da capital do país.

A expressão falência múltipla me faz, ainda uma última vez, falar de Ernesto Silva nesse espaço. O médico, pioneiro de Brasília, morreu quarta-feira aos 95 anos. Falência múltipla foi a causa mortis, o que geralmente consta nos atestados de óbito de alguém que viveu tanto tempo como ele, boa parte se dedicando a construir e a manter uma cidade bem diferente da que vivemos hoje física e, acima de tudo, moralmente.

A falência múltipla levou Ernesto, libertou-o de um corpo que já era um fardo.

Pois bem.

Que leve também o corpo apodrecido da roubalheira que envergonha e pesa nos ombros da gente honesta dessa terra.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (2)

  1. online -

    Aprendi muito

  2. Nirton Venancio -

    Estive com o Dr. Ernesto em meados do ano passado, num enterro de uma parenta dele, mãe de uma amiga minha. Por alguns instantes observei o nosso pioneiro ali com o olhar fixo e sereno no caixão. O que ele pensava? pensei. Refletia quando estivesse ali, igualmente estirado, em vigilia de uns e desvelos de outros? Estaria pensando na proximidades da “indesejada das gentes”, pois oitenta anos já se passaram?… O que me cativou naquela comtemplação silenciosa foi o seu olhar em relento. Uma paz. Uma tranquilidade. Apesar das possiveis interrogações.

Deixe o seu comentário!