André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Na porta de político sem mandato

Quando detinha poder, aquele político influente na cidade, e durante algum tempo relativamente conhecido em nível nacional, era assediado em todos os lugares aonde ia. Chegar perto dele era tarefa para os ombros e os braços. Explico. Era preciso usá-los para empurrar o cordão de puxa sacos e pedintes de favores e benesses. Não largava [...]

www.cursodavida.com.br

www.cursodavida.com.br

Quando detinha poder, aquele político influente na cidade, e durante algum tempo relativamente conhecido em nível nacional, era assediado em todos os lugares aonde ia.

Chegar perto dele era tarefa para os ombros e os braços.

Explico.

Era preciso usá-los para empurrar o cordão de puxa sacos e pedintes de favores e benesses.

Não largava o celular, passava a metade do tempo ocupado com seus pares na política. A outra metade falando com os jornalistas.

Nem seus assessores mais diretos conseguiam dele a atenção que queriam e precisavam para resolver pendências, pedidos, conchavos, puxasaquismos.

Uma vez, tendo próximas as eleições e vendo que seria tarefa árdua bater o concorrente ao Senado, disse a um dos assessores: “Em porta de político sem mandato, nem o vento bate”.

Não venceu as eleições.

No dia seguinte, o assédio sobre ele já era menor, e a cada dia foi se fazendo menos intenso. Praticantes de conchavos e bajuladores foram logo procurar quem os satisfizesse os interesses nos próximos anos.

Passado mais de um ano, num evento qualquer num meio de semana que deu certo movimento à noite na cidade, o agora ex-assessor conversava numa roda de conhecidos, quando sentiu lhe tocarem por trás os ombros.

Era o outrora dono do poder e da influência.

Conversaram bem alguns minutos, um querendo saber o que andava fazendo o outro.

O político mantinha a simpatia de quando pedia votos e fazia promessas. A conversa foi interrompida apenas duas vezes, para um cumprimento rápido de quem ainda nutria certo reconhecimento pelos feitos nos tempos de poderoso.

No fim da noite, terminando o evento, o político foi embora sozinho, balançando as chaves do carro.

E naquela noite não ventava.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (0)

Deixe o seu comentário!