André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Saudades de 1982

No verão de 1982 eu tinha 14 anos. Ou melhor, 13. Faço aniversário em maio, mas já me anunciava com a nova idade, mesmo que ainda faltassem cinco meses. Choveu também naquele verão, mas nada que engolisse casas, ruas, desfigurasse cidades, roubasse vidas, despedaçasse famílias. Lembro-me bem mais dos dias de sol, sinal de que [...]

No verão de 1982 eu tinha 14 anos. Ou melhor, 13. Faço aniversário em maio, mas já me anunciava com a nova idade, mesmo que ainda faltassem cinco meses.

Choveu também naquele verão, mas nada que engolisse casas, ruas, desfigurasse cidades, roubasse vidas, despedaçasse famílias. Lembro-me bem mais dos dias de sol, sinal de que foram a maioria, o ônibus cruzando a cidade, atravessando o túnel Rebouças ou Santa Bárbara, dependendo do itinerário, deixando em Ipanema aqueles adolescentes iniciantes que desaguavam no mar os olhos secos pelo subúrbio sem graça.

Chegávamos sem chinelo, de camiseta no ombro, bermudas de fecho magnético batendo nos joelhos. Na impossibilidade de pranchas – imagine aqueles trambolhos dentro de um buzum da finada CTC! –, descíamos a onda no braço, no peito e nas pernas, ou seja, no “populacho” jacaré. Se o povo da ZS (zona sul, é claro) nos olhava de lado, eu não sei. Eu não sabia o que era preconceito. Eu sabia o que era viver feliz e ter sede de aventura.

Foi o verão em que morreu Elis Regina. Lembro bem dos mais velhos chorando. Eu não chorei, pra falar a verdade eu nem me toquei tanto. Estava cada vez mais às voltas com as descobertas sobre o estilo de música que embalou desde cedo a minha existência: esse tal de Rock’n Roll.

O Brasil vivia a expectativa de a seleção dar um baile de bola na Copa da Espanha. Expectativa, não! Uma quase total certeza de que o caneco ‘tava no papo, era só esperar junho e irmos lá pegar.

Lembro também do filme que marcou aqueles meses de céu azul e mar aberto, e de quebra toda uma geração de pirralhos: Menino do Rio, com André de Biase, Sérgio Malandro(acreditem!), Evandro Mesquita e Cláudia Magno, todos em atuações desastrosas, que na época deliciaram nossas almas desertas de qualquer referência cinematográfica.

Eu também fui apaixonado pela Cláudia Magno, musa daquele verão, morta 12 anos depois em decorrência da AIDS. E era da trilha sonora do filme o hit que embalava nossos ‘jacarés’ do Posto 6 ao final do Leblon: De repente, Califórnia, do Lulu Santos e do Nelson Mota. A versão que estourou nas rádios era do Ricardo Graça Melo, diferente (e bem melhor) da versão do Lulu. Até o advento do youtube eu nunca mais havia ouvido a música nessa versão.

Este ano completo 44 anos e sei que até a véspera direi que tenho 43. Moro num país que receio ir à bancarrota por causa de uma Copa do Mundo sem qualquer planejamento e não sei se o verão agora tem musa. Se tiver, certamente está apavorada com as denúncias sobre as próteses de silicone.

Chove quase sem parar há dois meses em Brasília, e a filha do vizinho ouve Michel Teló a cada vez que respira.

Saudades de 1982.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (8)

  1. ADEMIR -

    TENHO 44 ANOS HOJE. JAMAIS VOU ME ESQUECER DO VERÃO DE 82… LULU SANTOS, O FILME MENINO DO RIO E A NOVELA SOL DE VERÃO, PRIMEIRO FOLHETIM GLOBAL QUE ASSISTI INTEIRO. TINHA 13 ANOS NA ÉPOCA E JA HAVIA ADOTADO A MÚSICA ” MUITO ESTRANHO” DO DALTO A TRILHA SONORA DA MINHA VIDA E MUITAS RECORDAÇÕES JORRAM DOS MEUS OLHOS ATÉ HOJE EM FORMA DE FURTUVAS LÁGRIMAS DE SAUDAES DE UM TEMPO QUE NÃO VOLTA MAIS. SAUDADES DE TÍ 82 !!!!

  2. Raymundo Jr. -

    Uma pintura a sua narrativa André!
    Foram tempos realmente especiais aqueles! Sou um pouco mais velho que você e tenho grande saudade das décadas de 70 e 80! Amigo, às vezes escuto jovens em seus carros rebaixado e super equipados ouvindo Michel Teló e coisas piores, como musica baiana, por exemplo!
    Amigo, os carros são até bonitos, mas te confesso, não pegaria uma carona com um desses nem se num deserto estivesse. Não, não é pelo carro, pois gosto muito de carros esportivos, mas sim e claro, pela vergonha de estar ouvindo qualquer música destas e ser reconhecido por alguém!
    Forte abraço,
    Raymundo Jr.
    260 Norte

  3. RC -

    Saudades de um Brasil mais igualitário, justo, tolerante, democrático. Ah, sim, nunca houve…

  4. giovani iemni -

    o que acho curioso nessas referèncias culturais é que não víamos nossos pais com saudade de sua juventude. era como se não houvesse o que unisse a memória da geração. a tv e a internet nos tornaram diferentes.

  5. Denise Giusti -

    Bons tempos mesmo! Pareço hoje em dia meus pais falando quando era uma jovem de apenas 25 anos em 1982. Não sabíamos que vida de adulto é difícil …
    Adorei, André!

  6. Henrique -

    Engraçado como você era bem mais novo em 82. Hoje temos, praticamente, a mesma idade. Andávamos no fusquinha da minha avó cantando pneus nas curvas de Grajaú, Méier e Andaraí sem medo dos 40 anos tão distantes. A seleção de 82 foi a melhor de todos os tempos (até de 70). Jogou bonito, perdeu feio e mostrou que futebol é mesmo uma caixinha de surpresas, porém é plástico e lindo com Junior, Sócrates, Falcão e Zico. De resto “meu coração canta feliz.”

  7. André Giusti Autor do post -

    Obrigado, Maria, pela participação. Um grande abraço.

  8. Maria -

    Ótima, André! Adorei as memórias antigas e lamento as atuais (Teló, musas siliconadas e apavoradas, chuvas…). Muito boas as referências à antecipação e à postergação da idade, na adolescência e agora. :)

Deixe o seu comentário!