André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Sobre gente, cães e gatos

Nada contra quem se preocupa com cães, gatos e demais espécies. Eles precisam de carinho, cuidado e respeito. Francisco de Assis foi um dos maiores vultos da humanidade também pelo seu amor para com os animais. São válidas as postagens sobre cães e gatos que precisam de adoção, embora ache inteiramente dispensáveis as fotos desses [...]

Nada contra quem se preocupa com cães, gatos e demais espécies.

Eles precisam de carinho, cuidado e respeito.

Francisco de Assis foi um dos maiores vultos da humanidade também pelo seu amor para com os animais.

São válidas as postagens sobre cães e gatos que precisam de adoção, embora ache inteiramente dispensáveis as fotos desses animais macerados ou mutilados pela bestialidade do bicho homem.

Mas em um momento em que recrudesce, chegando às raias do ódio, o debate sobre a redução da maioridade penal, talvez estejamos perdendo uma oportunidade de falarmos um pouco mais sobre adoção nas redes sociais. Adoção de seres humanos, diga-se de passagem. Adoção de crianças que, não obstante a família desestruturada, podem se tornar adultos de bem, voltados para o amor e a paz, distantes da criminalidade.

Existem diferentes formas de adoção, que não se limita a ir no juiz e pedir para ser pai e mãe daquela determinada criança, levá-la para casa, inseri-la na família e apresentar pra todo mundo: “Essa é minha filha ou esse é meu filho”. Em alguns casos, acompanhar uma criança em um orfanato, cuidando de sua vida escolar, ou simplesmente dando-lhe amor e carinho, não é pouca coisa, e não sendo pouca coisa, é muito mais do que nada, do que a omissão.

É claro, bichos dão trabalho, mas ser humano dá mais, pode não querer comer quando você manda, não estudar quando é hora, chegar em casa bem depois do combinado. Ser humano pode não obedecer; ser humano, depois de uma idade, diz que você não manda nele; ser humano pode te decepcionar, te magoar. Mas o mundo só vai melhorar se o ser humano for melhorado, e a infância é uma ótima idade para se melhorar as pessoas.

E pessoas melhores cuidam melhor de cães, gatos e bichinhos de uma forma geral.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (2)

  1. André Giusti Autor do post -

    Obrigado, Isis, pelo comentário. Um abraço!

  2. Isis -

    Levo a fama de protetora de animais, sabe, André. Os amigos assim me denominam e eu acho que esse “cargo” carrega um ranço tremendo, não gosto muito, não me sinto a vontade dentro desse termo que já está mais para chavão do que para ação. Gostei muito do que vc escreveu, pois, é isso mesmo: pessoas melhores fazem um mundo melhor e é nisso que acredito quando apenas na aparência me dedico “mais” aos bichos. Essa onda de gente que se preocupa (se preocupa mesmo?) com os animais deve ter algo mais filosófico ou sociologico por trás, mas, enfim, deveriamos mesmo, todos, pensar maior, como vc diz!

Deixe o seu comentário!