André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Até que a aposentadoria nos faça feliz

Na última terça-feira, com pouco mais de um minuto de abertura do sistema para adesão ao plano de demissão voluntária e aposentadoria do Banco do Brasil, já havia quase 700 funcionários inscritos. Segundo quem presenciou esses primeiros instantes, ao clicarem no ícone que confirmava a adesão, as pessoas gritavam de alegria. Como se grita quando [...]

Blog Televendas & Cobrança

Blog Televendas & Cobrança

Na última terça-feira, com pouco mais de um minuto de abertura do sistema para adesão ao plano de demissão voluntária e aposentadoria do Banco do Brasil, já havia quase 700 funcionários inscritos.

Segundo quem presenciou esses primeiros instantes, ao clicarem no ícone que confirmava a adesão, as pessoas gritavam de alegria. Como se grita quando o filho nasce, quando o time é campeão.

Quem está de fora, acaba enxergando nessa explosão de felicidade um momento breve que parece resumir o sentimento de toda uma vida, de 20, 30 anos dentro de uma empresa.

“Eu optei por isso para ter estabilidade, não ser mandado embora, ter um bom salário em dia, para pagar com folga minhas contas todos os meses”, muitos dizem. “Agora, me aposentando, vou ser feliz”, outros complementam.

Ao longo de décadas de trabalho, formulando estratégias para a conquista de espaço no sanguinário mercado financeiro ou finalizando relatórios com encaminhamentos inexequíveis para questões insolúveis, estariam quantos bons médicos, dentistas, arquitetos, bailarinos, músicos, atores, advogados, assistentes sociais?

Quanto poderia ter sido, e não foi. Por opção. Por escolha. E há de se pensar, numa análise de quem está de fora, por medo.

E no rastro disso, não é exagero conjecturar: quantas sessões de terapia, quantos filhos postos de lado, quantos episódios de alcoolismo, quantos casamentos desfeitos e quantos outros que se desfizeram sem acabar.

Muitos de nós, a maioria, talvez, somos prisioneiros de uma cultura patriarcal/matriarcal que vira escravidão ao longo da vida: é preciso ter, pagar, amealhar e garantir para deixar de herança aos escravinhos que poremos no mundo, que a exemplo de nós devem viver abrindo mão dessa coisa que gasta energia, toma tempo, que é tentar ser feliz.

Pelo menos até a aposentadoria.

 

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (0)

Deixe o seu comentário!