André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Brasília, capital do ser e do ter*

A jornalista Cláudia Guerreiro posta em sua página na rede social seu espanto com a quantidade de estudantes de direito que cursam a faculdade apenas e tão somente por imposição dos pais. No elenco de frases como “se não fizer Direito, vai sair de casa”, “onde você pensa que vai chegar fazendo História?” ou “Artes [...]

A jornalista Cláudia Guerreiro posta em sua página na rede social seu espanto com a quantidade de estudantes de direito que cursam a faculdade apenas e tão somente por imposição dos pais.

No elenco de frases como “se não fizer Direito, vai sair de casa”, “onde você pensa que vai chegar fazendo História?” ou “Artes Cênicas não dá futuro para ninguém!” há realmente um espanto de que elas ainda possam ser ditas por algum pai nos dias de hoje. Paira algo de muito retrô em todas elas, e é como se estivéssemos assistindo a uma minissérie de TV passada nos anos 60. Como se Anos Rebeldes estivesse novamente sendo reprisada.

É claro que o apego ao status quo não é exclusividade de Brasília, mas me parece que por essas bandas planaltinas o ser e o possuir carregam importância maior do que em outros lugares.

Direito é uma profissão que pode abrir as portas do sucesso e da riqueza, ou, ao menos, de uma vida estabilizada de conforto e boa imagem social. Das carreiras universitárias tem sido a que mais permite acesso ao serviço público, conhecido nos últimos anos por suas benesses, regalias e altos salários em certos cargos.

Em Brasília, o novo fica velho rápido; o espaçoso em pouco tempo torna-se apertado, e mal acabamos de comprar o mais moderno, ele já está obsoleto. Daí a eterna busca angustiante e ansiosa pelo novo modelo do automóvel, pelo lançamento imobiliário, pela última novidade de telas e teclados. E o mais sempre ficando menos. E cada vez mais rápido.

De certa forma, isso explica a recente greve de algumas categorias do serviço público. Funcionários que ganham R$ 12 mil em início de carreira cruzaram os braços. Precisavam de aumento, exigiam reajuste salarial. É compreensível. Afinal, precisam pagar as prestações daquilo que compraram para substituir aquele outro que já estava ultrapassado e que, provavelmente, ainda nem acabaram de pagar.

*Publicado no Brasil 247 em 12.9.2012

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (2)

  1. Ádila Lopes -

    Eu diria que as pessoas estão preocupadas, ocupadas em possuir coisas que esqueceram completamente da descoberta pessoal, de olhar para dentro de si e se desenvolver no interior, primeiro, lugar do real valor de um humano, para dai, se extravasar valor em demonstração de ser, não pelo que se possui monetizado, mas que se possui de princípios e valores e caráter e marcas humanas que dão sentido à vida coletiva.

  2. Denise Giusti -

    É mal dessa sociedade cada vez mais consumista e materialista. Esquecem que um dia deixarão esse Planeta, será que fizeram algo de bom para as pessoas que não tiveram as mesmas oportunidades que eles? Ótimo texto, André! Parabéns.

Deixe o seu comentário!