André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Colofão para Ana Maria

Já não era de agora que Antognioni Patrese desconfiava seriamente de que Maria Ismália não era mesmo uma pessoa de verdade, ou seja, alguém de osso carne pele músculo que nasce cresce morre e faz no intervalo disso o que for possível. Era muito encantamento pra serem de gente normal o mistério doce do olhar [...]

passarosdevidro.wordpress.com

passarosdevidro.wordpress.com

Já não era de agora que Antognioni Patrese desconfiava seriamente de que Maria Ismália não era mesmo uma pessoa de verdade, ou seja, alguém de osso carne pele músculo que nasce cresce morre e faz no intervalo disso o que for possível.

Era muito encantamento pra serem de gente normal o mistério doce do olhar vivaz e os cabelos meio em desalinho trazendo sempre ideia de vento em praia vazia.

Até que Mardochil, o sábio de bolso que Antognioni trazia consigo para esclarecer dúvidas sobre as cores dos caleidoscópios, confirmou a pulga que morava atrás da orelha do outro.

Maria Ismália realmente não nascera de um ventre humano, fruto de conluio carnal entre homem e mulher. Ela é personagem de um livro infanto-juvenil de muito sucesso nos anos 60, lido em todas as escolas de normalistas.

Ela era moça simples e bela, que tratava com justiça, pelo nome e com sorriso o homem da carroça, a preta que engomava roupas, o negrinho tísico, vendedor de garrafas, arrimo de família.

Lia histórias para crianças pobres e dava comida aos bichos doentes. Nas horas vagas falava de poesia e tocava piano para as flores, melhorando o canto dos pássaros.

Até que um dia, uma menina esqueceu o livro aberto e pegou no sono. Curiosa, Maria Ismália escapou da página em que a leitura fora interrompida e veio ver a vida aqui fora.

Quando tentou voltar, a menina havia fechado o livro e guardado na estante.

A edição se esgotou, o escritor morreu, a editora faliu, e apesar do sucesso, nunca mais outra edição.

Dizem que nem no sebo se encontra.

Desde então, Maria Ismália vive por aí, eterna e encantada como era na história, fazendo do mundo seu grande livro.

 

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentário (1)

  1. Ana Maria -

    Surreal, mágico, muito especial…

Deixe o seu comentário!