André Giusti - foto: Luana Lleras
voltar para o início do blog

Sim, mas qual é o problema com a zona de conforto?

Há alguns anos aprendi que nem tudo que é novo é bonito. E que nem toda mudança é pra melhor. Recentemente, eu vivia uma das mais felizes experiências de minha vida profissional. Ia pro trabalho cantando, planejando coisas, pensando, alegre, em como trabalhar melhor e fazer melhor o trabalho da equipe. Não queria, não precisava [...]

patricinhaesperta.com.br

patricinhaesperta.com.br

Há alguns anos aprendi que nem tudo que é novo é bonito.

E que nem toda mudança é pra melhor.

Recentemente, eu vivia uma das mais felizes experiências de minha vida profissional.

Ia pro trabalho cantando, planejando coisas, pensando, alegre, em como trabalhar melhor e fazer melhor o trabalho da equipe.

Não queria, não precisava mudar.

Estava feliz e ponto.

Até que veio um convite. Do tipo desafiador.

Titubeante – totalmente – em aceitar, ouvi logo “Mas é um baita desafio, você vai fugir?”, e também a mais óbvia das frases do tal mundo corporativo: “Isso é pra você abandonar a sua zona de conforto”.

Abandonei a tal “zona de conforto”, que não existia, pois cada dia era um dia diferente, e fui atrás do novo desafio, sendo que onde eu estava era desafiado diariamente a ser melhor.

Fui e só colhi frustração, e, claro, ensinamentos, como em tudo que nos acontece.

Entre estes, o de que se você está feliz, não é zona de conforto. É o lugar certo, o seu lugar, não há nada de errado.

Me considero de esquerda, mas não refuto a inciativa privada.

Ela deve e precisa existir, é justo que haja, mas a cada ano mais que envelheço e adquiro experiência como homem e profissional, me convenço de que a tal zona de conforto – embora exista realmente em sua concepção original – é uma grande desculpa do capitalismo devorador de vísceras para sugar mais e mais o sangue e chupar os ossos do trabalhador, seja ele o funcionário da limpeza ou o grande executivo.

“Abandone sua zona de conforto! E venha produzir mais e mais e mais para engordar ainda mais meu bolso e os de mais três ou quatro que acumulam mais da metade das riquezas do planeta”.

Juro que consigo enxergar isto nos discursos dos livros sobre liderança, gerenciamento e outras chatices afins.

Te fazem se sentir um acomodado, uma vitória-régia boiando em água parada para que você se levante e vá lá dar um pouquinho mais do seu sangue e da sua carne para eles.

Você não é obrigado a aceitar desafios. Aceitá-los não te fará necessariamente feliz. Rejeitá-los, não é sinal de que você é acomodado. Ou covarde.

Na hora de aceitar um convite profissional, se você estiver feliz onde está, pense bem se você vai deixar a sua “zona de conforto” para sustentar a zona de conforto (e cobiça e exploração) de todo um sistema nefasto.

Se ser feliz é estar satisfeito onde se está e com o que se está fazendo é zona de conforto, que possamos ficar confortavelmente felizes no nosso canto, com os desafios que ele nos propõe todos os dias.

Tags:

Gostou, compartilhe:

Comentários (0)

Deixe o seu comentário!